Acesse nosso site para saber das mais recentes noticias e informações da região - www.tvriachogrande.net - Para anunciar (11) 9945-4728 - reinaldo@riachogrande.net

 
Desde Março de 2006 você é o visitante nº
Contador

Alckmin anuncia medidas de combate às enchentes a Região Metropolitana.

 

O governador Geraldo Alckmin anunciou nesta sexta-feira, 4, um novo conjunto de medidas de combate às enchentes na Região Metropolitana de São Paulo. Entre as novas medidas estão a construção de diques nos pontos mais baixos da Marginal Tietê, cinco novos piscinões e a canalização do Rio Baquirivu, em Garulhos."Nós tínhamos anunciado anteriormente investimentos para combate a enchente só aqui na Região Metropolitana de São Paulo de R$ 285 milhões e com essas novas obras hoje são R$ 273,5 milhões. Nós estamos falando de R$ 558 milhões investidos em macrodrenagem, naquilo que há de mais importante que são os dois grandes canais de drenagem na cidade, Pinheiros e Tietê, e nos reservatórios espalhados por toda a bacia do Alto Tietê, seja no Tamanduateí, seja no Pirajussara e agora também no Baquirivu, que é Guarulhos", afirmou o governador.

Os diques na Marginal Tietê deverão ser construídos próximo às pontes Aricanduva, Vila Guilherme, Vila Maria e Limão, com previsão de entrega das obras até o final deste ano.Os cinco novos piscinões serão construídos nas regiões de Garulhos, Mauá, São Bernardo do Campo e na Vila Prudente, na capital. Na bacia do Rio Baquirivu, em Guarulhos, serão duas obras, que juntas poderão reter quase um milhões de metros cúbicos de água de chuva. Na capital, o piscinão Guamiranga será construído na bacia do Alto Tamanduateí e terá capacidade de armazenar 750 mil m³ de água.

Na Grande São Paulo, Mauá terá o piscinão Miranda d'Aviz. Beneficiando a região da Avenida Castelo Branco e redondezas, o reservatório pode reter até 100 mil m³. São Bernardo do Campo terá uma obra de 40 mil m³.

Guarulhos também terá executado um projeto de canalização de 19 km do Rio Baquirivu, incluindo os estudos sociais para reassentamento de famílias que estão em área de risco, bem como as obras e serviços complementares necessários.?

Compromisso já assumidos

As novas obras de desassoreamento dos Rio Tietê deverão retirar do leito 2,7 milhões de m³ de sedimentos, dos quais 2,1 milhões de m³ ainda em 2011. No Rio Pinheiros, serão retirados 1,5 milhão de m³ de detritos ao longo de 25 km do rio. Nesse caso, o leito deve se aprofundar em cerca de um metro, aumentando a capacidade de vazão.

O canal existente na margem direita do Rio Tietê também será desassoreado e terá as paredes revestidas de concreto com o objetivo de estabilizar as margens, acabando com a erosão, entre outras medidas. Ao mesmo tempo, serão construídos dois piscinões ao lado do canal com capacidade para 900 mil m³. Os obras vão beneficiar diretamente o centro de Guarulhos e os bairros de Vila Augusta, Macedo, Gupouva, Tranquilidade, Picanço, Vila Rio, Bela Vista, Cocaia, Monte Camelo, Vila Barros, São Roque e Itapegica. Além disso, reduzirão o risco de alagamento das marginais.

Mais dois piscinões também estão programados: o piscinão Jaboticabal, com capacidade para reter 900 mil m³, próximo à via Anchieta e o piscinão Olaria, próximo a Taboão da Serra, orçado em R$ 27,6 milhões, já em obras e que deve ficar pronto em novembro deste ano.

Medidas anteriores

Nos últimos anos, a maior intervenção no Rio Tietê foi feita em 2006, último ano da gestão anterior de Geraldo Alckmin. Neste ano foi entregue o aprofundamento médio de 2,5 metros da calha do rio e alargamento do fundo de 28 metros para 46 metros. Desde 1995, foram implantados 30 piscinões pelo Governo do Estado. Juntos, eles têm capacidade para reservar 5,6 milhões de metros cúbicos de água.

 
 



 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Todos os direitos autorais ,textos, imagens , obras ou criações de qualquer natureza disponibilizadas neste site, pertencem à www.riachogrande.net ou a terceiros que autorizaram o uso de sua propriedade intelectual e de imagens.
Sendo assim, é terminantemente vedada a distribuição, representação, publicação, uso comercial e/ou utilização de tais materiais, no todo ou em parte, sem a citação da fonte utilizada.
A violação destes direitos é crime, e seu infrator está sujeito às penalidades legais previstas nas Leis 9.610/98 e 9.279/96 e no art. 184 do Código Penal Brasileiro, bem como ao pagamento de indenização pelos prejuízos causados.