1º Batalhão comemorou o dia do Policial Rodoviário

 

Em comemoração ao Dia do Policial Rodoviário, o 1º Batalhão de Polícia Rodoviária realizou quarta-feira dia 23 de julho de 2008, uma Solenidade em que homenageou um Policial Militar indicado pelo Estado Maior (Sd PM Dirceu), um de cada uma das Companhias (Subten PM Elídio - 2ª Cia, Subten PM Roberto - 3ª Cia, 1º Sgt PM Loureiro - 1ª Cia e Sd PM Previato - Cia TOR), bem como o 2º Sgt Fem PM Dione, a qual representou todas as mulheres que atuam no Policiamento Rodoviário.
Além disso, o Comando da Unidade aproveitou a oportunidade para reconhecer o PM do Mês de junho (2º Sgt PM De Oliveira - 5º Pel da 3ª Cia), os aniversariantes do mês de julho presentes (2º Ten PM Roman e Sd PM Salvatori) e realizar a despedida dos Soldados PM Temporários do Serviço Auxiliar Voluntário IX (Viviane, Raquel, Davi, Faustino e Eduardo - EM; César e Duque - 1ª Cia; David Batista, Erick, Regiane e Suellen - 2ª Cia; Douglas - 3ª Cia; Maciel - Cia TOR). Por fim, mais uma vez foi enaltecida a conquista da Medalha de Bronze do Prêmio Paulista de Qualidade da Gestão 2008 entregue na noite de ontem no Palácio de Convenções do Anhembi. O evento foi encerrado com um coquetel servido a todos os presentes no refeitório da Unidade.
No dia 24 de julho de 1928, presidente Washington Luiz, através do Decreto nº 18.323 - que definia as regras de trânsito à época, criou a primeira força policial voltada exclusivamente à segurança rodoviária com a denominação inicial de "Polícia de Estradas". As atividades iniciais desse órgão voltaram-se principalmente à fiscalização das rodovias Rio-Petropólis, Rio São Paulo e União Indústria, com a atuação de cerca de 450 "vigias" da Comissão de Estradas de Rodagem (CER) coordenados por Antônio Felix Filho, nomeado inspetor de tráfego e considerado o 1º Patrulheiro Rodoviário Federal.
Em 1935, Yeddo Fiúza, o Engenheiro-Chefe da Comissão de Estradas de Rodagem, hoje DNIT, indicou Carlos Rocha Miranda para organizar a estrutura da Polícia das Estradas, tendo em Antônio Felix Filho, o "Turquinho " como ficou conhecido, o seu maior auxiliar. Juntos criaram, no dia 23 de julho de 1935, o primeiro quadro de policiais rodoviários, denominados, à época, "Inspetores de Tráfego". Eram eles: Antônio Wilbert Sobrinho, Alizue Galdino Neves, Ranulpho Pereira de Carvalho, Manoel Fonseca Soares, Nicomedes Rosa e Silva, Waldemar Barreto, Adelson José dos Santos, Manoel Gomes Guima-rães, Pedro Luiz Plum, Mário Soares, Luciano Alves e Nelson Azevedo Barbosa, os quais originaram a Polícia Rodoviária Federal, motivo pelo qual na data se comemora o Dia do Policial Rodoviário.
Em São Paulo, a atividade de Policiamento Rodoviário era executada por componentes da extinta Guarda Civil que, em 2 de abril de 1928, implementou os seus serviços através da criação de uma pequena Divisão de Policiamento Rodoviário, que atuava nas estradas de chão batido, em meio ao desconforto da lama e poeira que caracterizavam o ambiente de trabalho desses pioneiros.
Em 1947 o Governo Paulista entregou ao tráfego uma auto-estrada com características arrojadas para a época – a Via Anchieta (SP 150). O volume de tráfego de então, foi duplicado no primeiro ano, sendo necessário disciplinar o trânsito, orientar e auxiliar os usuários e policiar de forma mais efetiva as estradas que começavam surgir a partir da Capital, acompanhando o desenvolvimento do Estado e tornando imprescindível a maior presença ostensiva do policiamento nas estradas de rodagem da época.

 
Diante desse contexto, pelo Decreto Estadual nº 17.868, de 10/01/48, sendo Governador do Estado de São Paulo o Dr. Ademar Pereira de Barros, foi criado o chamado Grupo Especial de Polícia Rodoviária, com um efetivo de 60 homens, alguns ex-combatentes da Força Expedicionária Brasileira, comandados pelo 1º Tenente José de Pina Figueiredo, da Força Pública, os quais foram destacados, inicialmente, para atuar na então recém inaugurada SP 150 - Rodovia Anchieta. Estabelecia-se então a Polícia Rodoviária Paulista como órgão vinculado ao Departamento de Estradas de Rodagem (DER) que integrava a Secretaria de Viação e Obras Públicas.
 
O Código de Trânsito de então, possuía quarenta e seis artigos, havendo a previsão de apenas seis infrações. Os acidentes já aconteciam e o preparo técnico do Policial aliado à modernização constante de equipamentos e métodos já eram nossas prioridades na busca por um trânsito mais seguro.
Hoje, com mais de 60 anos de existência, atuando numa malha rodoviária de 24.000 Km de rodovias pavimentadas, com um efetivo de 4.000 homens, organizados em um comando central (CPRv) e 4 Batalhões de Polícia Rodoviária (BPRv), o Policiamento Rodoviário da Polícia Militar do Estado de São Paulo e rende suas homenagens a todos os Policias Rodoviários, valorosos homens que do uniforme azul escuro dos idos de 28 passaram à farda caqui – mais adequada ao ambiente de trabalho da época – e que hoje ostentam seus uniformes cinza bandeirante e que continuam honrando e construindo com lealdade e constância a história da Polícia Rodoviária Paulista.
 


 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Todos os direitos autorais ,textos, imagens , obras ou criações de qualquer natureza disponibilizadas neste site, pertencem à www.riachogrande.net ou a terceiros que autorizaram o uso de sua propriedade intelectual e de imagens.
Sendo assim, é terminantemente vedada a distribuição, representação, publicação, uso comercial e/ou utilização de tais materiais, no todo ou em parte, sem a citação da fonte utilizada.
A violação destes direitos é crime, e seu infrator está sujeito às penalidades legais previstas nas Leis 9.610/98 e 9.279/96 e no art. 184 do Código Penal Brasileiro, bem como ao pagamento de indenização pelos prejuízos causados.